APROESP Associação de Professores e Servidores Públicos do Magistério Oficial do Estado de São Paulo

Notícias

A CNTU é educação, é luta!

 

Nota pública CNTU

Profissionais universitários em defesa da educação, da ciência, tecnologia, inovação e da cultura.

Estamos nas ruas neste 15 de maio apoiando as manifestações dos trabalhadores da educação e dos estudantes.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários (CNTU), em conjunto com as suas federações e 60 sindicatos filiados, representando 2 milhões de profissionais no país, declara abertamente seu apoio aos professores, estudantes, pais dos estudantes, movimento sindical, movimentos sociais, partidos políticos e demais forças democráticas neste emblemático 15 de maio,Dia Nacional em Defesa da Educação.

Esta mobilização e manifestação crescentes neste país continente protestam contra os selvagens cortes de verbas de 42% na C,T&I , 30% na educação e a deterioração das condições de trabalho, pesquisa e extensão da universidade e da educação brasileiras.

Os cortes orçamentários contra a educação pública em todos os níveis vieram junto com posturas obscurantistas por parte dos governantes, como a de rebaixar o nível da qualidade e de profundidade intelectual ,eliminando e discriminando disciplinas fundamentais do conhecimento humanístico.

Um dos objetivos neste desmonte é a privatização do sistema universitário público e gratuito inicialmente e em seguida da educação básica e infantil.

Por outro lado combater o senso crítico do processo educacional formando profissionais despreparados e acríticos para os desafios do processo produtivo e de serviços.

Ou seja criar um país para 20% dos brasileiros e não para o conjunto das suas crianças e dos seus jovens inviabilizando o nosso desenvolvimento e futuro.

Toda a cultura se ressente destas ações provocativas e é necessário que reajamos com o máximo de unidade às agressões e revertamos estas insanas medidas.

A situação de desvario na política e o aprofundamento da prolongada recessão com permanentes retrocessos ao nosso desenvolvimento e soberania , à nossa democracia extremamente fragilizada e às agressões à Constituição de 1988, ganham agora contornos dramáticos.

Devemos ter consciência do chamamento do presente.

O que está em jogo é o sistema de ciência, tecnologia e inovação e de educação pública e gratuita tão duramente construídos ao longo dos séculos 20 e 21.

Ou seja o que defendemos é o direito de termos um futuro soberano enquanto nação.

A implantação e o desenvolvimento de universidades públicas, escolas técnicas e escolas de ensino infantil e básico realizadas nos últimos anos está totalmente em xeque.

Dada a insuficiência de vagas e a deteriorização dos financiamentos para estudantes que desejam e precisam estudar com qualidade para participar da sociedade do conhecimento, marcada pelo avanço da ciência e do acelerado desenvolvimento tecnológico.

Assim, todo o nosso esforço deve se concentrar em expandir e melhorar os nossos sistemas de educação, pesquisas e cultura.

E não os atacar com medidas de descontinuidade e desmoralização dos seus agentes.

Pelo contrário, devemos tratar estudantes, professores, pesquisadores, artistas, produtores culturais e demais trabalhadores desses sistemas de civilização como agentes de promessa de pensamento crítico, liberdade, igualdade, justiça e progresso social.

Dia 15 de maio estaremos mobilizados nos espaços públicos de todo o país nos manifestando solidariamente em defesa da educação, da ciência , da tecnologia e da cultura, honrando nossa herança de luta das gerações que nos antecederam.

Este dia 15 de maio prepara um processo que o movimento sindical e social planejam dia 14 de junho:uma greve geral contra o projeto em trâmite no Congresso Nacional pelo fim da previdência pública,contra o fim na prática da aposentadoria.

Se precisamos economizar recursos financeiros, vamos decidir de forma democrática e transparente, como e onde economizar, mas jamais destruindo nossas inteligências e mãos criativas e nem os nossos sistemas de proteção social.

Portanto, vamos participar construindo uma unidade nova dando um NÃO! UM BASTA! ao desmonte dos sistemas de civilização brasileira e contra os projetos de aprofundamento da barbárie no nosso Brasil.

Por uma nova civilização nos trópicos, que seja um alento para toda a humanidade, neste momento em que as forças do atraso e do neofascismo querem mais uma vez atacar os povos pela ignorância, ganância e fanatismo.

A APROESP integra a CNTU e seu Presidente Prof. Elias Rahal Neto é conselheiro da Confederação.

Publicado em Notícias

Comente! (0) ↓